Como comecei a reduzir o meu guarda-roupa em 4 passos





Nunca me considerei uma consumista por natureza. Aliás, desde nova sempre fui ponderada ao comprar, inclusive roupa.

Mas, mesmo tendo um consumo consciente, acabei por ter, como muitas raparigas, muita roupa - também porque herdei muitas peças da minha irmã mais velha.

Cresci, defini a minha personalidade e, um dia, dei por mim diante de um armário, cheio de roupa, onde já não me identificava com a maior parte dela. Foi aí que percebi que tinha que fazer alguma coisa - reduzir o meu guarda-roupa.

Como comecei a reduzir o meu guarda-roupa em 4 passos



#PASSO1: Fase de consciencialização - o que tens

Método da listagem por categorias: Numa primeira fase, é preciso teres consciência do que tens: quantas peças de roupa, calçado e acessórios. Se te ajudar, podes fazer uma lista com estas 3 categorias e vais anotando as peças que tens em cada um das categorias.
Ex: Peças de Roupa - Vestidos - Vestidos de verão informais (5) / Vestidos de inverno formais (6) / Vestidos de verão formais (3) / Vestidos de inverno formais (1) / Vestidos de meia-estação informais (4) / Vestidos de meia-estação formais (1).
Se quiseres podes ainda mencionar a cor ou o tipo de tecido predominante
Ex: Vestidos - Vestidos de meia-estação formais (1) - Cor Azul - Algodão

Auto-teste: preciso, é válido e adequa-se: Durante a fase de consciencialização isolei-me do consumo - deixei mesmo de consumir roupa, mas não evitei cenários de consumo. Isto acabou por funcionar como um teste para mim. Cada vez que me sentia tentada em relação a algo, tomava consciência desse desejo e perguntava-me:

"Quero ou preciso disto?"
"É um objecto de desejo ou uma peça válida para mim?"
"Adequa-se com o meu estilo de vida?"

Se as respostas fossem "preciso", "é uma peça válida" e "adequa-se ao meu estilo de vida" então poderia a vir comprá-la no futuro - mas nunca durante esta fase.

#PASSO2: Fase de limpeza / destralhe - o que já não serve

Esta  sempre foi a fase mais complicada para mim. Apesar de não ser uma consumidora compulsiva, tenho uma grande dificuldade em livrar-me da roupa que tenho. Não sei se é um apego emocional ou se é porque desde pequena aprendi que "não se deita fora algo que está bom" assim como "não se deixa comida no prato". 
Mas se, tal como eu, apesar de te ser difícil, queres reduzir o guarda-roupa, estas dicas podem ajudar-te.
Separa as tuas roupas em 3 grandes grupos: FICA, NÃO SEI SE FICA, NÃO FICA.
FICA: As roupas que usas, com as quais te sentes identificada e que te são úteis no dia-a-dia.
NÃO FICA: As roupas que não ficam, ou porque estão velhas, porque já não te servem ou porque já não têm nada a haver contigo. As primeiras podes deitar fora, as outras podes dar a primas/irmãs mais novas ou doar (eu faço sempre questão de ressalvar que a pessoa está à vontade para deitar fora o que não se adequar ou servir).
NÃO SEI SE FICA:  este é o mais difícil de todos os grupos. As roupas que não sabes se ficam são aquelas que não sabes se precisas, se são válidas e se adequam ao teu estilo de vida. São roupas que achas que podes voltar a usar, que podem servir para uma determinada ocasião... bom raciocínio ou meras desculpas? Só o tempo o dirá. Ás vezes é preciso "dar um tempo" na relação que temos com as nossas roupas. Por isso guarda-as por 1 ano e se não as utilizares... NÃO FICA! 

#PASSO3: Fase da escolha - o  que fica

Nesta fase, e depois de guardares temporariamente as peças NÃO SEI SE FICA, organizas as peças FICA. Se tiveres a oportunidade de ter um local para estas roupas, perfeito!
Felizmente eu tenho algum espaço disponível para arrumação, e consegui colocar todas as roupas FICA no meu quarto. O que me tenho apercebido é que não sinto falta das roupas NÃO SEI SE FICA (agora só preciso de ganhar coragem para as largar de vez...snif!)
Eu separo as roupas da seguinte maneira:
ARMÁRIO - separo nos cabides por tipo de roupa (ex. calças, camisas, casacos, saias, vestidos) e depois por cores (ex. casacos cinzentos, casacos pretos)
CÓMODA - separo por tipo de tecido (ex. tshirts, tops, camisolas de meia manga, camisolas de manga comprida) e depois por cores (ex. tops brancos, tops pretos e tops de cores)
MESINHAS DE CABECEIRA - onde guardo a roupa interior. Divido uma gaveta por tipo (ex. meias, soutiens, collants, etc.)

#PASSO4: Fase da renovação - o que falta

Por fim, quando tiveres reduzido e organizado o teu guarda-roupa chega a altura de perceber aquilo que falta.

Para manter um guarda-roupa funcional e minimalista, sugiro que se opte por peças de boa qualidade e versáteis, que não se esgotem em uma estação.
À medida que tenho optado por este tipo de peças apercebo-me que me sinto mais feliz com aquilo que eu visto e não tenho a sensação de "tenho tanta roupa e nada para vestir".

Resumindo:
#PASSO1: Fase de consciencialização - o que tens
- Método da listagem por categorias
- Auto-teste: preciso, é válido e adequa-se 

#PASSO2: Fase de limpeza / destralhe - o que já não serve
     - Método do fica, não fica, não sei se fica

#PASSO3: Fase da escolha - o  que fica
     - Organização das peças FICA: armário, cómoda, mesinhas de cabeceira (ou outras zonas que tenhas disponíveis)

#PASSO4: Fase da renovação - o que falta
     - O que falta nas peças FICA
     - Peças de boa qualidade e versáteis - rumo a um guarda-roupa funcional e minimalista



Imagem: petter palander via Visualhunt / CC BY 

Comentários

  1. Excelente post minha querida. Já há muito tempo que tenho um guarda roupa mais reduzido. Aposto mais na qualidade e menos na quantidade. Fazer isto a que te referes é um excelente exercício para treinar o desapego. Em todos os sentidos. Exercício esse que é excelente para nós. Beijinho enorme 💜

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Catarina! Se já tens um guarda roupa mais reduzido há algum tempo, suponho que tenhas algumas dicas óptimas para partilhar.
      A questão do desapego das roupas "não sei se fica" é que ainda é o meu grande dilema, acredito que, emocional... mas como dizem, devagar, devagarinho se vai longe!
      Beijinho enorme também para ti!

      Eliminar
    2. Minha linda deixei de ser tão consumista já há bastante tempo e só isso ajudou a reduzir o meu guarda roupa.
      Na minha opinião uma excelente dica, é quando temos tempo livre não nos enfiarmos em zonas comerciais, principalmente se tivermos em dias maus. Até porque se o fizermos vamos fazer compras sem pensar se realmente necessitamos. E para além do mais há lá coisa melhor que aproveitar o nosso tempo livre no meio da natureza??? Ela tem tanto para nos oferecer, sem gastarmos um único tostão.
      Quanto ao desapego sou da opinião que tem tudo a ver sim, com o nosso lado emocional. Conforme nos vamos resolvendo emocionalmente vamos nos desapegando naturalmente.
      Bem não quero deixar aqui um testamento, mas a verdade é que quando falo de temas que gosto realmente, acabo sempre por fazê-lo.
      Um enorme beijinho, estamos sempre há distância de um email se precisares de alguma coisa.

      Eliminar

Enviar um comentário