O que a viagem à Grécia me ensinou sobre expetativas

Estou de volta de uma viagem de uma semana à Grécia, onde pude retemperar energias, conhecer lugares novos e divertir-me bastante. No entanto, o post de hoje não pretende ser uma descrição do que vi, mas sim do que aprendi em relação a expetativas.

A viagem até à Grécia tinha como principal objetivo passar uns dias paradisíacos numa ilha, com um sol maravilhoso, boa comida e água mediterrânea quente. Agregado a este objetivo, decidimos passar também alguns dias em Atenas, aproveitando para ficar a conhecer a capital. Apesar de, no geral, não ter existido um grande planeamento, existiam, inevitavelmente, expetativas.

O que a viagem à Grécia me ensinou sobre expetativas

Surpreendentemente, gostei muito mais de Atenas do que de Mykonos. 

Apesar das razões desta avaliação serem bastante práticas (Mykonos revelou-se um lugar demasiado turístico, preços muito elevados, paisagem pouco verde e árida), a verdade é que Mykonos estava a ser apenas Mykonos, eu é que tinha gerado enormes expetativas que acabaram por não ser correspondidas.

Por outro lado, Atenas era apenas uma passagem a caminho da ilha. Sem expetativa alguma, fui arrebatada pelo que ela tinha para me oferecer, aceitando o que ela era, e não projetando qualquer fantasia minha na cidade.

E isto deixou-me a pensar.

Quantas vezes caímos no erro de gerar expetativas irrealistas sobre as situações e pessoas na nossa vida?

E o que ganharíamos se deixássemos um pouco de lado estas expetativas, e com elas o nosso terrível vicio de que sabemos sempre o que é melhor para nós e para os outros?

Aí, talvez a vida pudesse, simplesmente, acontecer (e nos surpreender!)

Por isso, aqui fica o desafio de viver menos em função das expetativas e mais em função de receber e saborear as coisas como elas são:

# Conhecer alguém novo sem querer que ele seja como queremos
# Escutar o desabafo de um amigo sem opinar sobre o que é suposto ele fazer
# Escolher um programa para o fim-de-semana sem o projetar na nossa cabeça
# Deixar as crianças brincarem à maneira delas, sem as limitar
# Quebrar pequenos hábitos sem esperar mudanças com isso
# Experimentar um hobbie novo, deixando que ele nos faça sentir seja o que for
# Estar atenta às pequenas subtilezas do dia-a-dia e aceitar os desafios que vão surgindo
# Repensar as noções dos opostos: certo/errado; novo/velho; aborrecido/louco; seguro/inseguro; bonito/feio

E tu? És uma pessoa que vive a criar expetativas? Já deste por ti a pensar que elas podem estar a limitar-te? Gostarias de controlar menos e saborear mais? Conta-me tudo, quero saber ☺
  

Comentários

  1. Tão, mas tão verdade Sofia :) Mesmo!!
    Eu também sou assim... já foi mais, mas ainda continuo a ser mais do que gostaria :(
    Vou aceitar o teu desafio, acho que me vai fazer bem, é uma maneira e "praticarmos" e aprender :)
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Living and learning como estou sempre a dizer... viver com menos expetativas é um excelente objetivo! Não é fácil mas acho que faz com que a vida seja bem mais leve =)

      Eliminar

Enviar um comentário