10 momentos "eureka" que mudaram MESMO a minha vida

10-momentos-eureka-que-mudaram-a-minha-vida


Todos temos aqueles momentos em que a verdade tem o poder de transformar as nossas vidas. São aquilo que eu chamo de momentos "eureka", momentos em que tomamos consciência de factos que alteram de forma irreversível a forma como percepcionamos, sentimos ou agimos perante algo ou alguém.

Nesta minha jornada por uma vida mais feliz, existiram 10 momentos "eureka" que realmente mudaram a minha vida.

#1 Aquilo que mais me irrita nos outros diz algo sobre mim - "aquele gajo irrita-me!". Por vezes, isto acontece porque a pessoa faz algo que vai contra os meus valores mas, tantas outras (a maior parte das vezes, na verdade!) é porque essa pessoa reflete pontos que eu tenho de trabalhar, mas que não tenho coragem de admitir. Hoje, procuro ser menos reativa e mais percetiva no que diz respeito à irritação: "O que é que me irrita nesta pessoa? E o que é que isso diz sobre mim?"

#2 Às vezes, quem mais me magoa, mais me ensina - o ser humano é mesmo assim, aprende melhor da forma mais difícil. É por isso que muitas das pessoas que mais me magoaram foram os meus maiores mestres e aos quais devo agradecer. Não é um processo fácil mas, muitas vezes, é essencial para fechar ciclos e seguir em frente.

#3 Estar infeliz faz parte da formula da felicidade - falei há bem pouco tempo sobre este momento "eureka" que, primeiro, foi assustador, e depois libertador! Estar infeliz (enquanto estado passageiro e não permanente) é tão natural como estar feliz. Um não existe sem o outro.

#4 Fugir das minhas sombras nunca vai resolvê-las -  não somos perfeitos e temos SEMPRE coisas a trabalhar e melhorar em nós. Viver é isso. Fugir daquele lado que não gostamos, fingir que ele não está lá, não só não o resolve, como lhe dá poder. Integrar o meu lado menos bonito torna-o menos importante e tira-lhe muito da sua conotação enquanto "problema".

#5 Ao fim do dia, it's up to you - por muitas técnicas e pessoas que te possam ajudar, no fim, it's up to you. É por isso que a meditação é, para mim,  a melhor ferramenta. Sem grandes ciências, é simplesmente estar ali, no silêncio, comigo mesma.

#6 Não há culpados nem inocentes -  cada um está a fazer o melhor que pode, com a consciência que tem no momento. E isso retira a possibilidade de sermos "vitimas" e os outros "culpados". Somos todos mestres e aprendizes em simultâneo, a todo o momento.

#7 Ser a minha prioridade não é egoísmo - demorei algum tempo a perceber que ser a minha prioridade não é egoísmo, é altruísmo. Por muito antagónico que possa parecer, quanto mais me priorizo, melhor sou para os outros. Porque só se pode dar o que se tem.

#8 Não ser para sempre, não significa que não foi verdade - nem todas as pessoas ficam para sempre e isso não significa que não foram verdadeiras naquilo que sentiram e partilharam connosco. E isto aplica-se não só aos relacionamentos, como também às experiências que vamos vivendo.

#9 Sou mais responsável pela minha vida do que quero admitir - há que  ter a coragem de assumir esta responsabilidade e deixar de colocar esse ónus no exterior. A partir de dentro sei que consigo co-criar a minha realidade, independentemente do que se passa lá fora. Afinal, grande parte do que vivo, depende da forma como penso e ajo. É uma questão de perspetiva.

#10 Não posso mudar ninguém - não posso e não tenho o direito de querer mudar ou impingir seja o que for. Somos todos diferentes e cada um tem os seus desafios. Aprendi a não assumir que há caminhos certos ou únicos. E, por isso, também não dou nem aceito lições de moral.

E tu? Já tiveste momentos "eureka" parecidos aos que referi? Ou tiveste outros igualmente transformadores na tua vida? Conta-me tudo, quero saber 😃


Photo by Azrul Aziz on Unsplash

Comentários

  1. Tive dois momentos eureka, como lhes chamas, que mudaram totalmente a minha forma de estar e muita paz me trouxeram. perceber que a felicidade dependia mais de mim que de outras coisas e perceber que não podia mudar os outros.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então temos dois momentos "eureka" semelhantes! E como conseguem ser libertadores, não é verdade?

      Eliminar
  2. Olá Sofia, gosto imensos destes teus momentos "eureka" e identifico-me muito com cada um deles :) E levo trabalho de casa, daqui ;)
    Beijinhos grandes :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário