A maior mentira que nos contaram sobre desenvolvimento pessoal


Confesso que, durante muito tempo, acreditei que o meu investimento em desenvolvimento pessoal, aliado à minha experiência de vida, me iriam permitir atingir e usufruir de um estado de consciência e paz inabaláveis.

Acreditei que, mesmo que tivesse momentos menos bons; os negros (de estar na fossa, de profundo questionamento existencial, de sensação de vazio ou solidão) não me iriam mais incomodar. Na minha inocência (ou inconsciência), acreditei que era esse o grande propósito e dádiva proporcionada pelo auto-conhecimento.

E esta é a maior mentira que nos contaram (e contamos a nós próprias!) sobre desenvolvimento pessoal.

Depois de vários anos a auto-conhecer-me, posso dizer, com propriedade, que o desenvolvimento pessoal não elimina os dias de desespero, tristeza ou agonia.

Por muito que leias,  medites, resesignifiques crenças, melhores pontos em ti... vai sempre haver dias em que colocas tudo isso em causa, que achas que é tudo treta e que não vale a pena esforçares-te mais, porque não evoluíste nada. Esses dias vão sempre existir, e todas passamos por eles. E com todas, incluo-me a mim e qualquer outra pessoa que, no mundo real ou virtual, te inspiram de alguma maneira.

Todas somos humanas e temos dias negros, e não há desenvolvimento pessoal que nos valha.

Apesar desta mentira que nos contaram e que perpetua em tantos conteúdos que consumimos sobre esta área, afirmo: o desenvolvimento pessoal é importante, e traz muita coisa positiva à nossa vida.

Como eu partilhei neste post, ele traz, sobretudo, consciência e, com ela uma série de ferramentas que nos ajudam muito: maior conexão connosco mesmas, maior compreensão da realidade como um todo, maior facilidade de colocar as coisas em perspectiva, um apurar da intuição e, sim, mais capacidade para dar a volta e enfrentar os dias negros.

Por isso, quando voltares a ter um dia ou fase negra (e isso vai acontecer!) não significa que estás na estaca 0, significa apenas que és humana. Continua a fazer o que fazes, you're doing it right!

Estamos juntas,
 

Photo by Max Lakutin on Unsplash

Comentários

  1. Minha querida os dias tristes e cinzentos farão sempre parte da vida. Não há felicidade permanente. A felicidade são momentos, assim como a tristeza. E tudo nos faz falta!
    Há que agradecer sim, por todos eles. Até por aqueles dias em que nos sentimos as piores pessoas, em que parece que nada nos faz sentido, em que a teórica toda que temos não passa de forma nenhuma para a prática. Sim porque normalmente depois dessa tempestade passar vem a lição e as suas aprendizagens. E isso é sempre positivo.
    Beijinho enorme**

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Catarina! Sim, sem dúvida que eles farão sempre parte e é importante falar sobre isso. Porque é humano estarmos tristes e isso não significa que não estejamos a caminhar, rumo a uma vida genuinamente mais feliz. Obrigada pelas tuas palavras. Beijinhos*

      Eliminar

Enviar um comentário