A gourmetização da felicidade

 
Às vezes sinto que não posso ser simplesmente feliz, porque a felicidade, como ela é, já não é suficiente. Parece que a felicidade tem de ser gourmet, digna de figurar nas tendências do Instagram.

Como sabem, escrevo neste blog há cerca de 3 anos e apesar de tópicos como a felicidade, desenvolvimento pessoal ou vida intencional me apaixonarem, sinto que estamos a cair num exagero na expressão dos mesmos. Esta realidade está particularmente presente no universo digital, onde se pode construir uma felicidade digital (mas tão pouco real).

Deslizo pelo feed do Instagram e reparo que muitos dos perfis são semelhantes entre si, apresentando sempre fotografias impecavelmente enquadradas, com ambientes inspiradores e rotinas irrepersíveis.

Tal facto, desmotiva-me e irrita-me. Desmotiva-me porque, ao ver uma foto de granola com banana e batido de frutos vermelhos, sinto vergonha do meu típico pequeno-almoço feito com pão e café com leite. Irrita-me, porque se criou um estereótipo sobre o que deve ser uma vida feliz. E uma frase que inclui a expressão "deve ser", demonstra logo que existe algo de muito errado.

A gourmetização de felicidade

Acordar às seis da manhã. Agradecer ao universo. Meditar. Tomar um pequeno almoço 100% biológico. Ir trabalhar naquilo que mais se ama. Almoçar um almoço vegan. Espalhar amor para todas as pessoas e mais algumas. Regressar a casa. Entoar mantras. Fazer yoga. Jejuar para realinhar os chakras. Meditar outra vez. Dormir depois de todo um ritual feito com cosmética natural.

Embora caricata, muitas de nós ( e eu incluo-me!) procuramos ter o máximo desta rotina nas nossas vidas. Caso contrário, sentimos que não estamos a dar o melhor de nós para viver uma vida com propósito. E procurar por ter esta felicidade que algures no tempo se instituiu como gourmet, não só me cansa, como me faz sentir afastada da real felicidade - a MINHA felicidade.

Desgourmetizar a felicidade

Por isso, acho urgente desgourmetizar a felicidade. Dar uns passos atrás e voltar ao que realmente interessa.

Primeiro, não existe qualquer regra para o que é suposto ser a felicidade. A melhor definição que encontro para felicidade é aquilo que te faz, efetivamente, feliz. Tão simples quanto isso. É uma definição pessoal. 

O que te faz feliz? Pode parecer básico, mas que acho que tem caído no nosso esquecimento. 

Somos assoberbadas pelas vitrines das redes sociais, que nos apresentam aquilo que "deve ser" uma vida feliz, e o que vemos, parece tão mais bonito e certo do que o que temos e fazemos. 

A questão que te coloco é: se não existisse termo de comparação, o que dirias que te faz mesmo feliz? Das coisas maiores até às mais pequenas?

Eu começo: deixa-me feliz andar descalça em casa, oferecer presentes feitos por mim às pessoas que eu gosto, sentar-me num jardim a apanhar sol, brincar com os meus sobrinhos, ir jantar fora, dar longos passeios pela cidade... para a maior parte das pessoas estas coisas podem lhes dizer muito pouco, mas para mim significam o mundo. E, no final, é isso que realmente importa. São essas coisas que "gourmetizam" a minha felicidade, independentemente do que outros acham.

E para ti? Quais são as pequenas, grandes coisas que tornam a tua felicidade gourmet?

Photo by Charles Etoroma on Unsplash

Comentários

  1. Wow adorei o artigo. Faz imenso sentido o que dizes. E deixaste-me de facto a refletir sobre isso... qual a minha felicidade gourmet. Obrigada pela partilha e um beijinho. P.s.o meu pequeno-almoço foi café com torradas e doce ��

    ResponderEliminar
  2. Ahaha adorei a partilha do pequeno-almoço!
    Fico curiosa para saber qual é a tua felicidade gourmet :D
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  3. Adorei o post querida! E como me revejo nas tuas palavras!
    Criou-se uma imagem do que poderá representar a felicidade. Como tal, se não preencheres os pré-requisitos todos da rotina mágica por ex, não poderás ser feliz! Mas e quem diz que a rotina me traz felicidade?
    A felicidade é um sentimento pessoal e intransmissível, como o Cartão de Cidadão, e como tal não existem códigos ou rotinas que obrigatoriamente nos tragam felicidade.
    Adorei o "desgourmetizar a felicidade" :D

    Beijinho

    ResponderEliminar

Enviar um comentário